Simagran PR
Simagran PR
Legislação - 21/03/2013

Reflexão sobre negociação coletiva marca posse no TST

Novo presidente tratou também de CLT ao assumir, no dia 5 de março

O novo presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), ministro Carlos Alberto Reis de Paula, destacou em seu discurso de posse, no dia 5 de março, a importância da negociação coletiva ao falar sobre a redescoberta da legislação trabalhista. "A conversa é o início da solução, desde que saibamos dialogar e que a busca seja pelo consenso", afirmou.

O presidente também deixou clara sua intenção em partilhar as decisões com todos os ministros da Corte. “A alta administração do Tribunal só ganhará força e terá uma ação efetiva se partilharmos problemas e soluções, no compromisso único de valorizarmos a Justiça do Trabalho", disse.

Em seguida, o ministro lembrou que em 2013 serão comemorados os 70 anos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Ao propor uma semana de reflexão para celebrar o texto aprovado em 1943, destacou as mudanças ocorridas no país e a necessidade de se descobrir a racionalidade jurídica para as novas situações.

O presidente ressaltou, ainda, o papel da negociação coletiva nesta redescoberta da legislação trabalhista e convidou trabalhadores e empregadores a terem a mesa do TST como a de sua casa. “Assim como Tiradentes e Tancredo Neves, meu compromisso é com a liberdade”, frisou o novo presidente.

Deixe seu coment�rio

Site Seu blog ou p�gina pessoal


1. Os sites do Sistema Fiep incentivam a pr�tica do debate respons�vel. S�o abertos a todo tipo de opini�o. Mas n�o aceitam ofensas. Ser�o deletados coment�rios contendo insulto, difama��o ou manifesta��es de �dio e preconceito;
2. S�o um espa�o para troca de id�ias, e todo leitor deve se sentir � vontade para expressar a sua. N�o ser�o tolerados ataques pessoais, amea�as, exposi��o da privacidade alheia, persegui��es (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento;
3. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus coment�rios e pelo impacto por ele causado; informa��es equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos;
4. Defendemos discuss�es transparentes, mas os sites do Sistema Fiep n�o se disp�em a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza. e
5. Dos leitores, n�o se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam diverg�ncias, que acreditamos pr�prias de qualquer debate de id�ias.

 Aceito receber comunica��o da Fiep e seus parceiros por e-mail