topo logo
Topo

História do Chimarrão

chimarrão (ou mate) é uma bebida característica da cultura do sul da América do Sul. É um hábito legado pelas culturas indígenas quínchas, aimarás e guaranis. É composto por uma cuia, uma bomba, erva-mate moída e água morna.

O termo mate, como sinônimo de chimarrão, é mais utilizado nos países de língua castelhana. O termo "chimarrão" é o adotado no Brasil, embora seja um termo oriundo da palavra castelhana cimarrón, que designa, por sua vez, o gado domesticado que retornou ao estado de vida selvagem e também o cão sem dono, bravio, que se alimenta de animais que caça. 

É importante mencionar que a descoberta da erva-mate pelos colonizadores espanhóis se deu nas terras de Guayrá (atual estado do Paraná). Os indígenas ingeriam uma bebida feita com folhas fragmentadas e água quente, e que eram tomadas num pequeno porongo utilizando um canudo de taquara, em cuja base havia um trançado de fibras que impedia que as partículas das folhas passassem (LESSA, 1986). A partir daí, os colonizadores entraram em contato então com a “caá-i” (que significa “água da erva”). O chimarrão é uma herança dos índios guaranis que habitavam o território do que são hoje a República do Paraguai e o estado do Paraná, e difundida pelos padres jesuítas, no tempo das Reduções.

O chimarrão chegou a ser proibido no sul do Brasil durante o século XVI, sendo considerada "erva do diabo" pelos padres jesuítas das reduções do Guairá. A partir do século XVII, os mesmos passaram a incentivar seu uso com o objetivo de afastar as pessoas do álcool.

No desenvolvimento da história do Paraná, a Ilex Paraguariensis (erva-mate) foi responsável pelo crescimento econômico, social e político do estado.

Durante mais de um século, o mate foi para o Paraná o sustentáculo de sua economia. Eram freqüentes, para não dizer quase obrigatórias, as mensagens do poder executivo ao legislativo estadual amplas informações, num tom quase sempre laudatório, à importância do papel que ela (erva-mate) representava para a Província durante o Império e, depois, na República, para o estado (COSTA, 1995, p.21).

A erva-mate foi o principal motivo para se reabrir, reformar e se manter apta para a viação a conhecida Estrada da Graciosa, por onde os tropeiros transportaram por décadas surrões com erva-mate para o porto de Paranaguá e de lá, saíram navios abarrotados de erva para os países Platinos e o Chile. A erva-mate fez com que a então Quinta Comarca de São Paulo, hoje Paraná, se tornasse independente por Lei Imperial n° 704 em 26 de agosto de 1853. Curitiba até então tinha 19 engenhos, Morretes 35 engenhos e São José dos Pinhais 2 engenhos de beneficiamento de erva-mate.

A erva-mate fez com que o Paraná virasse as costas para o Brasil ao norte e mantivesse intenso comércio por meio de tropas com riograndenses, uruguaios e principalmente argentinos de Corrientes. Nós tropeiros paranaenses, gaúchos curitibanos íamos à pata de cavalo, via estrada das missões até Corrientes levar surrões de erva-mate e trazíamos de volta, prata, cavalos e mulas. Mas este doce amargo de nossa história eu conto em outra tertúlia.

O chimarrão, tão importante, histórico, simbólico e característico ao Paraná quanto a gralha azul e a araucária, mereceu ser homenageado como um ramo de erva-mate em nossa bandeira estadual verde e branca.

O jurista e escritor A. J. de Macedo Soares, que foi juiz de Direito da Comarca de Campo Largo, foi autor de uma notícia sobre O mate do Paraná, e que foi oferecida à Comissão Central de Exposição do Paraná em 1875. O autor afirmava que o Paraná, com uma população de 127 mil almas (habitantes), consumia nessa época, segundo os seus cálculos, cerca de 750 arrobas de erva, o que equivalia a 4 milhões de quilos de consumo anual. O cálculo por ele realizado estimava três cuias de chimarrão ao dia, por pessoa (LINHARES, 1969).

O Paraná de 2006 para cá, voltou a ser o maior produtor de erva-mate do Brasil, com mais de 170 cidades produtoras.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
COSTA, Samuel Guimarães da. A erva-mate. Curitiba: Coleção Farol do Saber, 1995.
FERREIRA, João Carlos Vicente. O Paraná e seus municípios. Cuiabá: Memória do Brasil, 1999.
LESSA, Barbosa. História do chimarrão. 3. ed. Porto Alegre: Sulina, 1986.
LINHARES, Temístocles. História econômica do mate. Coleção Documentos Brasileiros. Rio de Janeiro: José Olímpio, 1969.

  • Páginas:  1
  • |
  • 2
  • |
  • 3
  • |
  • 4
  • |
  • 5
  • |
  • 6
  • |
  • 7
  • |
  • 8
  • |
  • 9

Comentários - Deixe seu comentário

por Meri - Quinta-feira, 13 de Outubro de 2016 - 05:04:18 - Comentar

A Desentupidora em São José estabelece medidas rígidos a fim de que
execução dos procedimentos, atentando continuamente aos produtos de qualidade e sistemas
utilizados, sobrevindo todas as normas e também padrões definidos pelo Ministério do Meio Envolvente, no meio de outras ações internas que visam crescimento sustentável,
reduzindo os impactos ao meio ambiente.


por Melissa - Segunda-feira, 03 de Outubro de 2016 - 02:59:26 - Comentar

I thought it was going to be some boring old post, but it really compensated for my time. I will post a link to this page on my blog. www.vicsolar.com.au


por Nena - Terça-feira, 27 de Setembro de 2016 - 10:18:21 - Comentar

Thanks for this excellent article and I will definitely have to send this on to others who could learn a few things about this topic. Take care and God bless. best stomach fat burners


por Erin - Terça-feira, 27 de Setembro de 2016 - 05:23:02 - Comentar

Thank you so much for a well written, easy to understand article on this. It can get really confusing when trying to explain it! cheap solar panels - cleanenergyco.com.au


por calvin alex - Quarta-feira, 21 de Setembro de 2016 - 07:42:28 - Comentar

Absolutely fantastic posting! Lots of useful information and inspiration, both of which we all need!Relay appreciate your work. quotes about procrastination


por jhon khan - Segunda-feira, 19 de Setembro de 2016 - 07:32:03 - Comentar

This is a great inspiring article.I am pretty much pleased with your good work.You put really very helpful information. Keep it up. Keep blogging. Looking to reading your next post. very painful intercourse


por Mary - Segunda-feira, 19 de Setembro de 2016 - 05:01:24 - Comentar

I really found this too much informatics. It is what i was searching for.I would like to suggest you that please keep sharing such type of info.Thanks one solar review


por Angela Maria - Sexta-feira, 16 de Setembro de 2016 - 08:31:44 - Comentar

From this post, I came to know about mate which is a drink of southern South America culture. You have shared various details regarding this drink. I would like to thank you for sharing this piece of information with us. dish network packages


por jhon khan - Domingo, 11 de Setembro de 2016 - 10:09:17 - Comentar

I found your this post while searching for information about blog-related research ... It's a good post .. keep posting and updating information. leader characteristics


por Christine - Quinta-feira, 01 de Setembro de 2016 - 06:58:37 - Comentar

Wonderful article! I wish I had your insight on this topic and could write as well as you. I hope many people get the opportunity to enjoy this great content. www.chagapilz-tee.de


Deixe seu comentário

Site Seu blog ou página pessoal


1. Os sites do Sistema Fiep incentivam a prática do debate responsável. São abertos a todo tipo de opinião. Mas não aceitam ofensas. Serão deletados comentários contendo insulto, difamação ou manifestações de ódio e preconceito;
2. São um espaço para troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua. Não serão tolerados ataques pessoais, ameaças, exposição da privacidade alheia, perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento;
3. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado; informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos;
4. Defendemos discussões transparentes, mas os sites do Sistema Fiep não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza. e
5. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.

 Aceito receber comunicação da Fiep e seus parceiros por e-mail