6 de julho de 2021
Custo Brasil | NAC - Núcleo de Acesso ao Crédito
Pesquisa busca mapear gargalos do crédito no país

A oferta de crédito no Brasil é 63% menor, comparada aos países integrantes da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), de acordo com o estudo do Custo Brasil. Diante deste cenário, o Núcleo Técnico de Crédito do Programa Executivo de Redução do Custo Brasil, coordenado pelo Movimento Brasil Competitivo (MBC) e realizado em parceria com organizações do setor privado, incluindo a Fiep, lançou uma pesquisa para identificar as dificuldades enfrentadas pelas micro e pequenas empresas (MPEs).

De acordo com a diretora executiva do MBC, Tatiana Ribeiro, o levantamento é de extrema importância porque as informações servirão de base para que o grupo possa apresentar ao governo federal projetos e ações de novas políticas públicas de crédito. “Já sabemos que o crédito no Brasil é mais caro que em outros países, que há uma dificuldade de acesso e pouca oferta nas instituições financeiras, mas precisamos saber em detalhes quais os gargalos enfrentados e, por isso, precisamos da colaboração das empresas”, explica.

O formulário da pesquisa, disponível neste link, é composto por 18 questões de resposta rápida sobre as linhas de crédito existentes, problemas enfrentados, taxa de juros, documentação exigida e no final um espaço para comentários e sugestões. Participe até 15 de julho. 

No início de junho, o governo federal sancionou a lei que torna permanente o Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), criado no início da pandemia em 2020. Uma iniciativa importante, mas que ainda não atende totalmente as necessidades do setor produtivo. O saldo das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional totalizou R$ 4,1 trilhões, em março.

O grupo técnico já realizou uma série de agendas com instituições para identificar algumas dificuldades e entender o cenário. Entre elas, com Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES), Federação Nacional de Seguros Gerais (FenSeg) e Confederação Nacional da Indústria (CNI). O Núcleo é composto pelas seguintes organizações: Associação Brasileira de Fabricantes de Brinquedos (Abrinq), Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast), Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes) e Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep).

RELACIONADOS