Veja o quanto você paga de imposto

PRODUTOS IMPOSTO
Abaixador de língua 30%
Absorvente higiênico 34%
Academia 27%
Achocolatado 38%
Aço (forma bruta) 37%
Açúcar 32%
Adestramento de cães 27%
Adoçante 37%
Adubo 25%
Aeronaves 28%
Agenda escolar 43%
Agogô 39%
Água 38%
Água c/ açúcar e edulcorantes (h2o) 53%
Água de coco 34%
Água-de-colônia (nacional) 50%
Água mineral 44%
Água oxigenada 41%
Água sanitária 26%
Agulha 34%
Álcool (material de limpeza) 33%
Álcool combustível 26%
Algodão de limpeza 35%
Alicate 40%
Almoço em restaurante 32%
Almofadas 34%
Amaciante 34%
Amendoim 37%
Andador 19%
Aparador (sala) 37%
Aparelho de barbear 41%
Aparelho de pressão digital 34%
Aparelho de som 37%
Aparelho MP3 ou iPOD 49%
Aparelho radiografia (raio-X) 38%
Aparelho telefônico p/ linha fixa 43%
Apito 34%
Apontador  43%
Aquecedor de água elétrico 48%
Aquecedor de ambientes 48%
Arame farpado 33%
Ar condicionado p/ residência 48%
Arma de fogo (revólver) 72%
Arranjo de cabelo 26%
Arroz 17%
Árvore de Natal 39%
Aspirador de pó 41%
Avental médico 31%
Avião 42%
Bacalhau importado 44%
Balanças (uso doméstico) 43%
Balão de borracha (bexiga) 34%
Band-aid (curativo) 30%
Bandeira (de pano) 36%
Bandolim 39%
Banheira 42%
Banjo 39%
Barbeador elétrico 48%
Barco 28%
Batata 11%
Batedeira 44%
Bateria 38%
Bicicleta 46%
Bijuterias 43%
Binóculos 52%
Biquíni 33%
Biquíni com lantejoulas 42%
Biscoito 37%
Bisturi 40%
Bola de futebol 46%
Bolo de brigadeiro 34%
Bolsa (geral) 40%
Bolsa de couro 42%
Bolsa térmica 37%
Bombom 38%
Boné 35%
Bongô 39%
Borracha escolar
43%
Bota 36%
Brinquedos 40%
Bronzeador 49%
Buffet (jantar) - restaurante 32%
Bumbo 39%
Buquê (flores) 18%
Buzina (automóvel) 36%
Buzina a gás 46%
Cachaça 82%
Cachimbo 61%
Cachecol 34%
Cachorro-quente 15%
Cadeira de praia 41%
Cadeira de rodas 18%
Caderno universitário 35%
Café 20%
Cafeteira 42%
Caipirinha 77%
Caixas de som amplificadas 46%
Calça (tecido) 35%
Calça de couro 40%
Calça jeans 39%
Calculadora eletrônica 45%
Camarão 33%
Câmera fotográfica 45%
Camisa 35%
Camisa xadrez 35%
Caneta 48%
Canivete 44%
Canjica 35%
Carne bovina 17%
Carrilhão com estante 37%
Cartão de Páscoa 37%
Cartuchos de tinta (impressora) 38%
Carvão vegetal 34%
Casa popular 48%
Casaco de pele vison 82%
Casamento no civil 17%
Catchup 41%
Cateter 30%
Cavaquinho 38%
CD (compact disk) 38%
Cebola 16%
Cera 47%
Cereal em lata 34%
Cerveja (lata) 56%
Cerveja (garrafa) 56%
Champagne 59%
Chapéu de couro 40%
Chapéu de palha 34%
Charuto/ cigarrilha 62%
Chave de fenda 41%
Chester/peru/pernil 29%
Chicletes 34%
Chinelo 31%
Chocolate 39%
Chope 62%
Chuveiro elétrico 48%
Cigarro 80%
Cimento 30%
Cinto de couro 41%
Cinto de segurança 25%
Clarineta 39%
Cobertor 26%
Cocada 37%
Coelho de pelúcia 30%
Cofre 46%
Cola Tenaz 43%
Colar havaiano 46%
Colchão 28%
Coletor de urina 20%
Colomba pascal chocolate 39%
Comadre/papagaio 34%
Computador acima de R$ 3.000,00 34%
Computador até R$ 3.000,00 24%
Condicionadores (banho) 37%
Confete/serpentina 44%
Consulta veterinária 27%
Conta de água 24%
Conta de luz 48%
Conta de telefone 46%
Contrabaixo 39%
Convite (impresso) 24%
Copiadora (máquina) 48%
Copos 38%
Corda 34%
Corneta 34%
Cortador de grama 38%
Cosméticos 55%
Cotonetes 34%
Creme de barbear 57%
Cremes de beleza 57%
Cruz de madeira 46%
Cuíca 38%
Decoração igreja (flores) 18%
Desfibrilador 35%
Desinfetante 26%
Desodorantes 37%
Detergente 30%
Dia da noiva (salão de beleza) 26%
Diamante (pedra bruta) 43%
Diesel 41%
Ducha higiênica 35%
DVD (aparelho) 50%
DVD (cartucho) 44%
Edredom 36%
Embarcações 28%
Energia elétrica 48%
Enfeites árvore de Natal 48%
Ervilhas 26%
Escola particular e curso de inglês 26%
Escova de dentes 34%
Esparadrapo 29%
Esponja de aço (pacote com 4 unidades) 41%
Espumante 60%
Estojos para lápis 40%
Extintor de incêndio 40%
Fantasia - roupa com arame 34%
Fantasia - roupa tecido 36%
Faqueiro 42%
Farinha de trigo 17%
Fechadura 42%
Feijão 17%
Fermento 38%
Ferro de passar 45%
Fichário 39%
Filmes p/ fotografia 45%
Filtro de ar 41%
Filtro de óleo 38%
Filtro de papel 37%
Fita 34%
Fivela 37%
Flauta transversal 40%
Flores artificiais 46%
Flores naturais
18%
Fogão 4 bocas 27%
Fogos de artifício 62%
Folhas para fichário 38%
Fondue de chocolate 39%
Fondue de queijo 37%
Formulários de papel 39%
Forno de microondas 55%
Fósforos 34%
Fralda descartável 34%
Frango 17%
Freezer 45%
Frutas 22%
Fubá 25%
Gaita 40%
Garrafa térmica 45%
Gás de cozinha 34%
Gasolina 53%
Gaze 29%
Geladeira 37%
Gelatina 37%
Gibão de couro 40%
Grama 13%
Gravador (aparelho) 52%
Gravata 35%
Graxa p/ sapatos 41%
Guarda-chuva/ sombrinha 35%
Guardanapo de papel 38%
Guarda-sol 37%
Guitarra 39%
Hospedagem em hotel 30%
Hotel para animais 27%
Imagem de santo 42%
Impressora 34%
Inalador 36%
Ingressos (tíquetes) 41%
Iogurte 33%
Ipad - tablet 39%
Isqueiro descartável 62%
Jantar em restaurante 32%
Joelheira 20%
Jogos vídeo 72%
Jóias 50%
Jornal 14%
Juros bancários 26%
Lâmina para microscópio 34%
Lâmpada elétrica comum 45%
Lancheiras 40%
Lápis 35%
Lareira 41%
Lavadora de louças 48%
Leite  19%
Leite em pó 28%
Lembrancinha (souvenir) 18%
Lençol 26%
Lentilha 26%
Liquidificador 44%
Livro 16%
Livro escolar 16%
Louça 45%
Lubrificantes 38%
Luminária 44%
Lupa 34%
Luva 41%
Luva cirúrgica 30%
Maca 34%
Macarrão 18%
Madeira bruta 42%
Maionese 34%
Maisena (amido de milho) 34%
Malas 40%
Malha 34%
Mangueiras p/ água 39%
Manteiga 36%
Maquilagem 56%
Máquina automática venda de bebidas 48%
Máquina de costura 36%
Máquina de lavar roupas 48%
Margarina (500g) 36%
Martelo 41%
Máscara cirúrgica 30%
Máscara de lantejoulas 43%
Máscara de plástico 44%
Material de construção (geral)
33%
Medalha de metal 38%
Medicamento de uso animal 13%
Medicamentos de uso humano 34%
Medidor de glicose 30%
Mensalidade do clube 27%
Mertiolate/ mercúrio 35%
Mesa de bilhar (sinuca) 62%
Microcomputador até R$ 3.000,00 24%
Micro Laptop acima de R$ 3.000,00 34%
Microfones 47%
Micro-ondas (forno) 59%
Microscópio 38%
Milho cozido 19%
Milho verde (vidro) 36%
Mochilas 40%
Molho de tomate (lata) 36%
Mostarda 41%
Moto (acima de 250 cc) 65%
Moto até 125 cc 44%
Muleta 40%
Navalha 44%
Nozes 36%
Óculos (lentes de vidro) 45%
Óculos de sol 44%
Óleo de cozinha 26%
Ovos de Páscoa 39%
Ovos de galinha 21%
Paçoca 37%
Pacote hotel, ingresso e van - desfile carnaval 36%
Pacote lua-de-mel (viagem) 30%
Pandeiro 38%
Panelas 36%
Panetone 35%
Pão de forma 17%
Pão francês 17%
Papel-alumínio 38%
Papel carbono 37%
Papel celofane 34%
Papel filtro 45%
Papel higiênico (com 4 rolos) 40%
Papel pardo 35%
Papel sulfite 37%
Parafuso 41%
Paraquedas 41%
Pás e picaretas 34%
Passagem aérea 22%
Pasta de dentes 35%
Pastas em geral  40%
Pastas plásticas 40%
Patins 53%
Pé-de-moleque 37%
Peixes 34%
Peneira de couro 40%
Pente 45%
Perfume importado 78%
Perfume nacional 69%
Peru/chester/pernil 29%
Piano 40%
Pilhas/ baterias 51%
Pincel 36%
Pinhão 24%
Pipeta de laboratório 34%
Pipoca (micro-ondas) 35%
Pipoca (milho) 35%
Plantas (pomar) 13%
Plástico 0,15 40%
Playstation 72%
Pneu 36%
Porta-retrato 43%
Postes e vigas de concreto 39%
Prato (instrumento musical) 38%
Pratos (cozinha) 34%
Prego 41%
Presépio - Natal 36%
Preservativo 19%
Protetor solar 42%
Quadro de parede 36%
Queijo 17%
Quentão 62%
Querosene para aviação 47%
Rações para gato e cão 41%
Reco-reco 38%
Refresco em pó 36%
Refrigerante (lata) 46%
Refrigerante (garrafa) 45%
Regador 44%
Régua 45%
Relógio 53%
Relógio despertador 48%
Revistas 19%
Roupas 35%
Sabão em barra 30%
Sabão em pó 41%
Sabonete 37%
Sal 15%
Sanduiche Mac Donald's 30%
Sapatos 36%
Saponáceo 39%
Saxofone 40%
Secador de cabelos 48%
Secadoura de roupa 48%
Secretária eletrônica 52%
Sela 41%
Seringa 30%
Serviço de TV por Assinatura 46%
Serra manual 41%
Shampoo 44%
Sidra 48%
Sinos/campainhas 43%
Sonda aspiração traqueal 21%
Sonda uretral 34%
Sopa de pacotinho 34%
Soro 30%
Sorvete de massa 38%
Sorvete (picolé) 38%
Sousafone 39%
Spray espuma 46%
Suco pronto 36%
Suplemento alimentar 34%
Taças 44%
Talco 49%
Talheres 34%
Tamborim 39%
Tapete 42%
Teatro e cinema 30%
Tecidos 36%
Teclado 39%
Telefone celular 40%
Telefonia 46%
Televisor 45%
Telha 34%
Tênis Importado 59%
Terço de plástico 41%
Termômetro 39%
Terno (traje) 35%
Tesoura 44%
Tijolo (milheiro) 34%
Tinta 36%
Tinta guache 36%
Tinta plástica  36%
Tipóia 20%
Toalha de banho 26%
Toalha de mesa 26%
Tomate 17%
Torneira 39%
Torradeira elétrica 48%
Traje do noivo 35%
Transporte coletivo 34%
Trator 32%
Travesseiro 26%
Triângulo (instrumento musical) 38%
Triângulo p/ veículo 45%
Trombone 40%
Trompete 39%
Universidade (mensalidade) 26%
Urna funerária 36%
Ursinho de pelúcia 30%
Utensílios de jardim 34%
Vara de pesca 48%
Vaso de plantas 41%
Vaso sanitário 40%
Vassoura 35%
Veículo Celta 1.0 38%
Veículo Toyota Corolla 2.0 41%
Veículo Celta 1.0 37%
Veículo Toyota Corolla 2.0  41%
Vela 41%
Ventilador 34%
Vermute 62%
Vestido 35%
Vestido de noiva 35%
Videocassete 44%
Vidro 42%
Vinagre 34%
Vinho 55%
Viola 40%
Violão 39%
Violino 38%
Violoncelo 40%
Vodca 82%
Whisky 61%
Xarope para tosse 35%
Xilofone 40%

Comentários

- Deixe seu comentário
por Syllas Valadão - Quinta-feira, 24 de Julho de 2014 - 11:53:48 - Comentar

Implantei sistemas e treinei centenas de empresas no Brasil, grandes, pequenas e médias. De modo que conheço a realidade delas, conheço os lucros, as despesas, os prejuízos.

Hoje mesmo sou empresário e tambem conheço meus lucros.

Sim, o problema é a carga tributária.

O exemplo que você deu foi de empresas de segmento históricamente lucrativo no Brasil e no mundo, o ramo de automóveis. Um diretor da fabrica da Wolkwagem disse uma vez que, melhor que ser dono de fabrica de automoveis, é ser dono de banco.

Na opinião dele automóveis, é o segundo melhor negócio do mundo, portanto não podemos comparar o lucro de bancos e montadoras, com o lucro de pequenas e médias empresas.

Como analista de sistemas conheci centenas de empresas, e hoje como empresário do ramo grafico, conheco outras centenas.

Em geral o lucro do estado é MAIOR que o lucro do empresário.

Pequenas e médias empresas tem lucro médio de 20%.

No Brasil quase 80% das empresas são familiares, a maioria de pequeno e médio porte, e são essas as empresas que dão empregos e sustentam o Brasil.

Uma montadora tem lucros de 300 ou 400%,

Mas a maioria das empresas está na média de 25 ou 30%.

Eu mesmo no segmento de gráfica, é quase impossível ganhar mais de 30%.

A compra do papel ja vem tributada na faixa de 40%,
Depois de trabalhar o papel usando agua, luz, telefone, INSS dos funcionários, transporte de funcionários e alimentação, e outros insumos como tinhas, nesse tambem ja pago impostos, daí vendo o produto e pago mais 15% de impostos. Logo, um folhetinho que vendo sai com 55% de impostos.

55% para o governo, e 25% para o empresário.

O governo ganha mais que o drobro, isso na MAIORIA das empresas.

Sua interpretação é equivocada.

O problema no Brasil não são os empresários e sim, a quantidade de pessoas trabalhando.

De cada 100 pessoas aptas a trabalhar apenas 44 trabalham, portanto essas 44 sustentam as 56 que não trabalham, mais aquelas que são aposentadas e/ou as INAPTAS a trabalhar.

Diante disso, é impossivel que um país cresca.

A culpa não é do empreendedor, que cavou uma cisterna pra matar a sede do povo, a culpa é de não haver mais trabalhadores para cavar cisternas o suficiente e baixar o custo da água.

Se o Brasil continuar oprimindo os trabalhadores, eles param de trabalhar e voltaremos a miséria que sempre fomos.

Coloquem mais gente pra trabalhar, teremos mais produtos e o preço baixa naturalmente.

O melhor projeto social é o trabalho.

Emprendedor não tem culpa da miséria de um povo, a parte dele foi cavar o buraco da cisterna, o povo deve ali, lançar o balde e puxar a água, enquanto ele cava outro poço.

E o governo deve financiar e ensinar ao povo para que tambem tambem façam poços.

O resto é balela de gente preguiçosa.


por Syllas Valadão - Quinta-feira, 24 de Julho de 2014 - 11:53:41 - Comentar

Implantei sistemas e treinei centenas de empresas no Brasil, grandes, pequenas e médias. De modo que conheço a realidade delas, conheço os lucros, as despesas, os prejuízos.

Hoje mesmo sou empresário e tambem conheço meus lucros.

Sim, o problema é a carga tributária.

O exemplo que você deu foi de empresas de segmento históricamente lucrativo no Brasil e no mundo, o ramo de automóveis. Um diretor da fabrica da Wolkwagem disse uma vez que, melhor que ser dono de fabrica de automoveis, é ser dono de banco.

Na opinião dele automóveis, é o segundo melhor negócio do mundo, portanto não podemos comparar o lucro de bancos e montadoras, com o lucro de pequenas e médias empresas.

Como analista de sistemas conheci centenas de empresas, e hoje como empresário do ramo grafico, conheco outras centenas.

Em geral o lucro do estado é MAIOR que o lucro do empresário.

Pequenas e médias empresas tem lucro médio de 20%.

No Brasil quase 80% das empresas são familiares, a maioria de pequeno e médio porte, e são essas as empresas que dão empregos e sustentam o Brasil.

Uma montadora tem lucros de 300 ou 400%,

Mas a maioria das empresas está na média de 25 ou 30%.

Eu mesmo no segmento de gráfica, é quase impossível ganhar mais de 30%.

A compra do papel ja vem tributada na faixa de 40%,
Depois de trabalhar o papel usando agua, luz, telefone, INSS dos funcionários, transporte de funcionários e alimentação, e outros insumos como tinhas, nesse tambem ja pago impostos, daí vendo o produto e pago mais 15% de impostos. Logo, um folhetinho que vendo sai com 55% de impostos.

55% para o governo, e 25% para o empresário.

O governo ganha mais que o drobro, isso na MAIORIA das empresas.

Sua interpretação é equivocada.

O problema no Brasil não são os empresários e sim, a quantidade de pessoas trabalhando.

De cada 100 pessoas aptas a trabalhar apenas 44 trabalham, portanto essas 44 sustentam as 56 que não trabalham, mais aquelas que são aposentadas e/ou as INAPTAS a trabalhar.

Diante disso, é impossivel que um país cresca.

A culpa não é do empreendedor, que cavou uma cisterna pra matar a sede do povo, a culpa é de não haver mais trabalhadores para cavar cisternas o suficiente e baixar o custo da água.

Se o Brasil continuar oprimindo os trabalhadores, eles param de trabalhar e voltaremos a miséria que sempre fomos.

Coloquem mais gente pra trabalhar, teremos mais produtos e o preço baixa naturalmente.

O melhor projeto social é o trabalho.

Emprendedor não tem culpa da miséria de um povo, a parte dele foi cavar o buraco da cisterna, o povo deve ali, lançar o balde e puxar a água, enquanto ele cava outro poço.

E o governo deve financiar e ensinar ao povo para que tambem tambem façam poços.

O resto é balela de gente preguiçosa.


por Syllas Valadão - Quinta-feira, 24 de Julho de 2014 - 11:53:33 - Comentar

Implantei sistemas e treinei centenas de empresas no Brasil, grandes, pequenas e médias. De modo que conheço a realidade delas, conheço os lucros, as despesas, os prejuízos.

Hoje mesmo sou empresário e tambem conheço meus lucros.

Sim, o problema é a carga tributária.

O exemplo que você deu foi de empresas de segmento históricamente lucrativo no Brasil e no mundo, o ramo de automóveis. Um diretor da fabrica da Wolkwagem disse uma vez que, melhor que ser dono de fabrica de automoveis, é ser dono de banco.

Na opinião dele automóveis, é o segundo melhor negócio do mundo, portanto não podemos comparar o lucro de bancos e montadoras, com o lucro de pequenas e médias empresas.

Como analista de sistemas conheci centenas de empresas, e hoje como empresário do ramo grafico, conheco outras centenas.

Em geral o lucro do estado é MAIOR que o lucro do empresário.

Pequenas e médias empresas tem lucro médio de 20%.

No Brasil quase 80% das empresas são familiares, a maioria de pequeno e médio porte, e são essas as empresas que dão empregos e sustentam o Brasil.

Uma montadora tem lucros de 300 ou 400%,

Mas a maioria das empresas está na média de 25 ou 30%.

Eu mesmo no segmento de gráfica, é quase impossível ganhar mais de 30%.

A compra do papel ja vem tributada na faixa de 40%,
Depois de trabalhar o papel usando agua, luz, telefone, INSS dos funcionários, transporte de funcionários e alimentação, e outros insumos como tinhas, nesse tambem ja pago impostos, daí vendo o produto e pago mais 15% de impostos. Logo, um folhetinho que vendo sai com 55% de impostos.

55% para o governo, e 25% para o empresário.

O governo ganha mais que o drobro, isso na MAIORIA das empresas.

Sua interpretação é equivocada.

O problema no Brasil não são os empresários e sim, a quantidade de pessoas trabalhando.

De cada 100 pessoas aptas a trabalhar apenas 44 trabalham, portanto essas 44 sustentam as 56 que não trabalham, mais aquelas que são aposentadas e/ou as INAPTAS a trabalhar.

Diante disso, é impossivel que um país cresca.

A culpa não é do empreendedor, que cavou uma cisterna pra matar a sede do povo, a culpa é de não haver mais trabalhadores para cavar cisternas o suficiente e baixar o custo da água.

Se o Brasil continuar oprimindo os trabalhadores, eles param de trabalhar e voltaremos a miséria que sempre fomos.

Coloquem mais gente pra trabalhar, teremos mais produtos e o preço baixa naturalmente.

O melhor projeto social é o trabalho.

Emprendedor não tem culpa da miséria de um povo, a parte dele foi cavar o buraco da cisterna, o povo deve ali, lançar o balde e puxar a água, enquanto ele cava outro poço.

E o governo deve financiar e ensinar ao povo para que tambem tambem façam poços.

O resto é balela de gente preguiçosa.


por carla - Sábado, 19 de Julho de 2014 - 20:11:27 - Comentar

é imposto que não acaba mais href="http://www.caixafederal.org/">Caixa


por Fernando Cerqueira - Quinta-feira, 10 de Julho de 2014 - 13:59:20 - Comentar

O s impostos, não estão só relacionado ao produto e sim relacionado a sua extração por exemplo se natural ou industrializado beneficiado ou não pagar os recursos naturais ou repo-los ( Eis a questão!!!) quanto a um imposto único traria benefício a pouco que guanhão muito com isto é o caso dos armamentos. e os produtos naturais principalmente a produção agricola teria serios problemas com estes custos.
A reforma tributária deve levar em conta o destino final do produto e sua origem e reposição quando natural sua reposição a nivel de preservação e recuperação nativa.


por Humberto Borges - Quarta-feira, 25 de Junho de 2014 - 21:11:23 - Comentar

Para termos uma noção correta desses impostos, é necessário mostrar o quanto desses impostos são FEDERAIS, ESTADUAIS e MUNICIPAIS. Tenho lido na Imprensa que os MAIORES IMPOSTOS DO BRASIL são os ICMS cobrados pelos governos estaduais. Também tenho lido que o governo federal tem diminuído e zerado vários impostos federais incidentes em carros, alimentos e outras mercadorias.


por Lucia Helena de Francisco - Quinta-feira, 12 de Junho de 2014 - 20:02:45 - Comentar

Imposto unico já.


por gilmar luiz alquieri - Sábado, 07 de Junho de 2014 - 05:47:17 - Comentar

isso e mais 27 por cento do meu salário, tudo para manter muitios politicos , se diminuisse para 1/5 dos politicos sobraira dinheiro para investir no pais, obs temos muitos politicos para pouco resultado ainda na maioria legislam em causa propria, nunca vi grave de politicos por salario, ja a população se noao faz greva fica com salario defazado. pense nosso.


por Edvane Dolor de Paula - Quinta-feira, 05 de Junho de 2014 - 11:24:11 - Comentar

No brasil teria que ter um sistema de imposto único, , valor fixo para todos produtos,e serviços,Assim fiscalizar o sistema mais simples.


por Marcia dos Santos Batista - Domingo, 01 de Junho de 2014 - 22:15:54 - Comentar

Isto e um abuso contra as pessoas,os políticos são muito bom em fazer promessas em época de eleição eles fazem mil promessas,até um Brasil melhor sem muito imposto mais depois fica tudo na mesma,não muda nada fica só o interesse deles,os cidadães trabalhadores e que ficam sempre na pior. Agora e a hora de que nós eleitores e meros trabalhadores devemos dar o troco para esses políticos mentirosos e corruptos, na hora de votar se unirmos e votarmos todos em branco ai sim ele iriam ver que o povo brasileiro não e tonto e tem força.


Deixe seu comentário

Site Seu blog ou página pessoal


1. Os sites do Sistema Fiep incentivam a prática do debate responsável. São abertos a todo tipo de opinião. Mas não aceitam ofensas. Serão deletados comentários contendo insulto, difamação ou manifestações de ódio e preconceito;
2. São um espaço para troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua. Não serão tolerados ataques pessoais, ameaças, exposição da privacidade alheia, perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento;
3. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado; informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos;
4. Defendemos discussões transparentes, mas os sites do Sistema Fiep não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza. e
5. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.

 Aceito receber comunicação da Fiep e seus parceiros por e-mail