Sinfor PR
Sinfor PR
Controle de Qualidade - 26/06/2013

Certificação de softwares será apresentada este mês

Governo está realizando os últimos ajustes junto a representantes do setor produtivo

O governo está adotando as principais sugestões das fabricantes de softwares para inserir no modelo final da Certics, que vai certificar programas de computador feitos no Brasil. O selo de qualidade foi criado através do plano TI Maior e está sob responsabilidade do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). Até o momento, somente entidades que representam o setor tiveram acesso às informações que finalmente serão abertas até o fim de junho.

O governo atendeu diversos pedidos das fabricantes, que solicitaram a simplificação do processo e mais envolvimento na gestão da Certics. As empresas terão assento no comitê gestor e terão a possibilidade de ser certificadoras.

A política batizada de Certics tem como foco identificar os programas de computador desenvolvidos no Brasil, dar a eles uma espécie de selo de qualidade e produção nacional. Os produtos certificados terão preferência nas compras públicas.

Anunciada em agosto de 2012, a metodologia de como seria realizada a certificação passou por uma longa consulta pública que se estendeu até o fim do ano passado. Desde então, as contribuições – até aqui sigilosas – vêm sendo analisadas pelo MCTI.

Deixe seu comentário

Site Seu blog ou página pessoal


1. Os sites do Sistema Fiep incentivam a prática do debate responsável. São abertos a todo tipo de opinião. Mas não aceitam ofensas. Serão deletados comentários contendo insulto, difamação ou manifestações de ódio e preconceito;
2. São um espaço para troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua. Não serão tolerados ataques pessoais, ameaças, exposição da privacidade alheia, perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento;
3. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado; informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos;
4. Defendemos discussões transparentes, mas os sites do Sistema Fiep não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza. e
5. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.

 Aceito receber comunicação da Fiep e seus parceiros por e-mail
 

Associe-se

Associe-se