Sindirepa Toledo 25 anos
Sindirepa Toledo 25 anos
23/08/2013

Empresários temem complexidade do eSocial

Novo sistema de prestação de contas com a Receita pode burocratizar e aumentar custos das empresas

O Sistema de Escrituração Fiscal Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas, batizado como eSocial, só passa a ser obrigatório a partir de janeiro do ano que vem, mas já preocupa empresários. O temor está ligado ao aumento de custos e de burocracia na transmissão das informações que devem ser prestadas à Receita Federal. A ironia é que o sistema foi criado exatamente para simplificar o processo e evitar sonegação.

O novo modelo é mais um projeto do Sistema Público de Escrituração Digital (SPED), instituído em 2007. Ele estabelece o envio de forma digital, por parte das empresas, das informações cadastrais de todos os empregados. O sistema vai substituir o envio de nove obrigações que hoje são feitas mensal e anualmente — como o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e a Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte (Dirf)—por apenas um envio.

Só que, além dessas informações já tradicionais, o Ato Declaratório nº 5 da Receita estabelece que todas as empresas terão que enviar—em alguns casos diariamente— o histórico dos empregados, com informações que vão desde a admissão até a demissão, passando pelos atestados médicos e as advertências. Ao todo, as empresas terão que enviar à Receita

Federal 44 tipos de informações por empregado. “Da forma que está desenhado na fase atual, o projeto acaba por criar obrigações desmedidas às empresas, gerando maior burocracia e custo”, diz o diretor-adjunto sindical da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Adauto Duarte.

A Fiesp pretende encaminhar ao governo documento sugerindo alterações nessa que é a primeira versão do eSocial. “Por cautela, vamos sugerir que o governo entre com o sistema conforme previsto apenas unificando as informações que já são repassadas e depois, através do diálogo tripartite, se construam as novas obrigações”, comenta Duarte.

Entre os novos custos para as empresas, o diretor cita o alto valor de atualização dos sistemas informáticos de folha salarial, que terão que ser compatíveis com o eSocial, e o investimento no treinamento dos empregados. “Além disso, no início haverá a convivência dos vários sistemas, como por exemplo o eSocial e o Caged. “Nesse período de transição, as empresas terão que arcar com o custo do envio de informações em duplicidade.”

Deixe seu comentário

Site Seu blog ou página pessoal


1. Os sites do Sistema Fiep incentivam a prática do debate responsável. São abertos a todo tipo de opinião. Mas não aceitam ofensas. Serão deletados comentários contendo insulto, difamação ou manifestações de ódio e preconceito;
2. São um espaço para troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua. Não serão tolerados ataques pessoais, ameaças, exposição da privacidade alheia, perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento;
3. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado; informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos;
4. Defendemos discussões transparentes, mas os sites do Sistema Fiep não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza. e
5. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.

 Aceito receber comunicação da Fiep e seus parceiros por e-mail