Sindirepa Toledo 25 anos
Sindirepa Toledo 25 anos
Quanto vale - 29/07/2013

Gerenciamento de recursos mostra quanto cobrar pelo serviço

Um dos pontos mais importantes é identificar o custo da hora trabalhada, que vai informar as margens de preço

É fato que os clientes procuram oficinas com preço baixo e serviço de qualidade, a localização também é importante, mas se o serviço compensa ela fica em segundo plano. O equilíbrio entre esses dois itens é a chave para o sucesso. Mas, para isso, é necessário saber mais do que quanto se gasta e quanto se recebe. Para especialistas, é necessário ter a compreensão de como funciona a oficina, de forma integrada e sistêmica, abrangendo todas as dimensões da sua gestão de custos.

De acordo com um levantamento feito pela Central de Inteligência Automotiva (CINAU), no Brasil, em um raio de 100 quilômetros, existem 300 centros de reparação automotiva independentes. Em um ambiente de alta competitividade como esse, a gestão de custos transforma-se em uma ferramenta estratégica.

Segundo o consultor do Sebrae especialista em gestão empresarial, Arivaldo Halgreen, o proprietário da oficina precisa gerenciar a entrada e saída de recursos: ”É necessário ter controle sobre os valores gastos com a aquisição de peças, ferramentas e outros materiais necessários para o funcionamento da oficina, tais como eletricidade, água e funcionários. Conhecendo seus custos, será possível identificar o valor correto para cobrar por seus serviços”, explicou.

Para o diretor da Ultracar, empresa especializada em gestão de oficinas e negócios automotivos, Fábio Moraes, existem duas formas de administrar bem uma oficina e gerenciar seus custos: “Primeiro é necessário conhecer os números da sua empresa e do mercado. Depois, ter uma ferramenta (software ou planilha) que seja de fácil utilização e realmente o ajude no seu dia a dia”, disse.

Moraes ressalta que o sistema de gestão engloba todos os aspectos, mas observa que itens como EPIs (equipamentos de proteção individual), treinamentos, benefícios e encargos devem ser considerados na equação que define os custos.

Outro ponto destacado é identificar as horas produtivas disponíveis. “Mensurar a hora trabalhada vai nos dizer como anda a produtividade da empresa e quanto custa cada funcionário, que é uma das maiores partes do gasto operacional”, afirma Moraes. O cálculo deste número é simples: multiplica-se o número de horas trabalhadas por dia pelos dias trabalhados no mês, e o resultado pela quantidade de funcionários da empresa.

Quadro com exemplo

Horas trabalhadas por dia (por funcionário)

8.5 horas

Dias trabalhados por mês (média)

21 dias

Número de produtivos

15 funcionários

Horas produtivas disponíveis

2.667,5 horas / mês

O custo por hora de cada funcionário pode ser calculado somando-se o salário mensal, benefícios e as despesas extras, como por exemplo, materiais de trabalho, de proteção e encargos trabalhistas. Depois divide-se o valor obtido pela quantidade de horas trabalhadas no mês. Normalmente são 176 horas, considerando a jornada de trabalho de 44 horas semanais.

Outro destaque feito por Moraes foi a possibilidade de analisar cada departamento de maneira individual. Pode-se dividir a oficina em cinco partes: 1 – Administrativo, 2 – Financeiro, 3 – Estoque, 4 – Produtivo e 5 – Fiscal. “Assim os relatórios vão apontar os números de cada área individualmente, e as ações pontuais surtem mais efeito”, encerrou.

Deixe seu comentário

Site Seu blog ou página pessoal


1. Os sites do Sistema Fiep incentivam a prática do debate responsável. São abertos a todo tipo de opinião. Mas não aceitam ofensas. Serão deletados comentários contendo insulto, difamação ou manifestações de ódio e preconceito;
2. São um espaço para troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua. Não serão tolerados ataques pessoais, ameaças, exposição da privacidade alheia, perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento;
3. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado; informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos;
4. Defendemos discussões transparentes, mas os sites do Sistema Fiep não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza. e
5. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.

 Aceito receber comunicação da Fiep e seus parceiros por e-mail