Sindirepa PR
Sindirepa PR

Dicas para a Construção e Manutenção de Caixas de Retenção de Areia e Óleo - Secretaria do Meio Ambiente

 

Construção

---O processo de tratamento de efluentes com o uso de caixas de retenção de areia e óleo baseia-se nas diferenças entre as características físico-químicas de seus constituintes.

---O efluente das oficinas mecânicas apresenta, entre outros, 3 constituintes básicos: água, sólidos (areia, terra, etc.) e óleo. Se misturarmos os 3 em um recipiente transparente, notaremos, após um tempo em repouso, que os sólidos (mais densos que a água e o óleo - ex: areia) decantarão. O óleo, imiscível em água, e de menor densidade que esta, flotará. Portanto, desta análise empírica chegou-se ao projeto esquematizado abaixo:

---Estas caixas podem ser construídas em qualquer material inerte, resistente e impermeável. Normalmente são construídas em alvenaria com reboco interno, porém, alguns preferem construí-las com tubos de cimento (manilhas).

Caixa de
            Retenção de Óleo e Areia Sindirepa PR(Ilustrações - Sindirepa PR)

OBS: As medidas mostradas no esquema acima são para uma vazão de 1.000 litros por hora.

---Descrição das caixas:

---A - Caixa de retenção de areia.

---Nesta caixa os tubos de entrada e saída estão no mesmo nível. No percurso entre a entrada e a saída os sólidos decantam acumulando-se no fundo.


Caixa de Retenção de Óleo e Areia Sindirepa PR

B e C - Caixas de retenção de óleo.

---Os tubos de entrada e saída apresentam cotovelos. Ao entrarem nesta caixa a água e o óleo separam-se. O óleo acumula-se na superfície e a água sai pelo segundo tubo.

Caixa de Retenção de Óleo e Areia Sindirepa PR

D - Caixa de inspeção.

---Esta caixa não participa diretamente do processo de tratamento. Ela serve ao monitoramento da água tratada. Se a água, nesta caixa, apresentar óleo sobrenadante ou sólidos em suspensão é porque a caixas anteriores não estão tratando adequadamente o efluente, devendo as mesmas serem examinadas.

---E - Caixa de óleo.

---Esta caixa, de construção opcional, serve para acumular o óleo retido nas caixas B e C, evitando-se assim que o óleo seja coletado em períodos menores e das duas caixas.

---* Todas as caixas devem possuir tampa de fácil remoção.

Vazão - Litros/hora

Diâmetro do tubo (mm)

1.000

600

1.800

800

2.900

1.000

4.000

1.200

6.500

1.500

 

Para a locação das caixas de retenção, no pátio da empresa, tomar os seguintes cuidados:

- Evitar locais de tráfego intenso.

- Evitar proximidade de locais de escoamento de águas pluviais.

- Promover desníveis de modo a aproveitar a ação da gravidade para o escoamento, evitando a utilização de bombas.

---Manutenção

---O bom funcionamento das caixas de retenção de areia e óleo depende, além dos aspectos construtivos, de uma boa manutenção. De nada vale investir-se muito num projeto sofisticado se no dia-a-dia o uso das caixas dispensar uma correta manuetnção. Mesmo tendo o sistema de tratamento de efluentes a oficina estará poluindo o meio ambiente.

---Pensando nisso elencamos abaixo um rol de procedimentos básicos necessários ao eficaz desempenho das caixas.

1- Muito cuidado com a quantidade de efluente, pelas caixas deverá passar, no máximo, a quantidade de água prevista no projeto.

2- A periodicidade da limpeza das caixas dependerá do volume de efluente a ser tratado e de suas características, portanto, o responsável, pela limpeza, deverá estimar quantas vezes no mês ou no ano precisará limpá-las.