Sindirepa PR
Sindirepa PR

Código de Defesa do Consumidor - Orçamentos

O orçamento prévio no Código de Defesa do Consumidor

O orçamento prévio de serviços é contemplado na lei consumerista, apesar da pouca importância que se tem dispensado ao assunto.

Todo prestador de serviço é obrigado a fornecer ao consumidor orçamento prévio detalhado do serviço a ser executado, mas bom que se diga que o orçamento não cria nenhuma obrigação para o consumidor, fato que somente acontece com sua aceitação e autorização para início do serviço.

O orçamento deve conter informação completa e pormenorizada do serviço, porque eventual omissão pode gerar falha de dados essenciais no orçamento e causar responsabilidade do fornecedor. É vedada a execução de serviços ou fornecimento de produtos sem a prévia elaboração do orçamento e posterior autorização do consumidor. a violação desta regra implica em prática abusiva e não gera obrigação de pagar, inciso VI e parágrafo único, artigo 39 CDC.

A dúvida sobre o valor do serviço executado causa aceitação da versão do consumidor porque a falha no orçamento incompleto é de responsabilidade do fornecedor, dada a sua obrigação de elaborá-lo.

Há situações especiais nas quais se torna indispensável horas/trabalho para formulação do orçamento. É o caso do conserto de um carro ou de uma máquina, quando é necessária a remoção de peças internas para avaliar o dano e o trabalho a ser promovido. De qualquer forma, a empresa haverá de buscar meios para apontar o valor do serviço. Na impossibilidade, resta encontrar ajuste com o consumidor, já que se o serviço for iniciado, sem autorização prévia, o consumidor fica desobrigado de efetuar o pagamento.

O orçamento substitui o contrato, art. 48 CDC, mas a garantia para os contratantes é maior se celebrado o contrato.

Se não houver outro ajuste inserido no orçamento ou no contrato, é válido o preço anotado pelo prazo de 10 (dez) dias, a contar do recebimento. Após o vencimento desse prazo, o fornecedor pode fazer outro orçamento.

A não observância destas normas tem sido comum nas atividades de prestação de serviços realizadas pelos associados do Sindirepa SP, causando reclamações e problemas aos mesmos, pois em regra, não apresentam orçamento prévio da prestação dos serviços por escrito. O consumidor só tem noção do valor depois da conclusão do serviço ou por mero telefonema.

O consumidor tem prazo de 30 (trinta) dias para reclamar contra abusos praticados pelo fornecedor de serviços, se o vício for aparente e de fácil constatação. Em caso de bens duráveis, o prazo se amplia para 90 (noventa) dias, art. 26 CDC.

Por todos esses motivos, recomendamos a todos associados do Sindirepa SP fazerem orçamento prévio dos serviços a serem reparados, com todos os dados, peças, serviços, valores e prazos, evitando graves problemas posteriores.

*Alexandre Mendes Pinto é advogado do Escritório da Mendes & Panisa Advogados

Fonte: Texto extraído da newsletter do Sindirepa SP

Para a integra do Código de Defesa do Consumidor clique aqui

 

  • Páginas:  1
  • |
  • 2
  • |
  • 3
  • |
  • 4

Comentários - Deixe seu comentário

por Fernando - Domingo, 22 de Março de 2015 - 09:57:58 - Comentar

Levei meu carro para revisão dos 20000Km na autorizada fiat e foi permitido assistir e não foneceram o orçamento prévio.


por Francelir - Quinta-feira, 05 de Março de 2015 - 02:34:23 - Comentar

Este tópico é interessante, pois então bastaria a um mal profissional elaborar orçamentos absurdos, que com certeza serão rejeitados e apenas cobrar a taxa pela formulação do tal orçamento. Não seria necessário reparar qualquer equipamento para para ter uma renda mensal, apenas receber tais taxas.


por Alex - Quinta-feira, 26 de Fevereiro de 2015 - 15:02:40 - Comentar

Fui a uma papelaria que não quiseram fazer o orçamento dos materiais escolares de meu filho .
Disseram que so se eu compra-se os materiais escolares.
E dai o que se faz porque fui mal atendido e fizeram graça da minha cara disseram que eu podia procurar meus direitos se é que vc tem.
Gostaria de orientação.


por Alex - Quinta-feira, 26 de Fevereiro de 2015 - 15:02:39 - Comentar

Fui a uma papelaria que não quiseram fazer o orçamento dos materiais escolares de meu filho .
Disseram que so se eu compra-se os materiais escolares.
E dai o que se faz porque fui mal atendido e fizeram graça da minha cara disseram que eu podia procurar meus direitos se é que vc tem.
Gostaria de orientação.


por Alex - Quinta-feira, 26 de Fevereiro de 2015 - 15:02:37 - Comentar

Fui a uma papelaria que não quiseram fazer o orçamento dos materiais escolares de meu filho .
Disseram que so se eu compra-se os materiais escolares.
E dai o que se faz porque fui mal atendido e fizeram graça da minha cara disseram que eu podia procurar meus direitos se é que vc tem.
Gostaria de orientação.


por Gabriel de Faria Lopes - Sexta-feira, 30 de Janeiro de 2015 - 13:29:45 - Comentar

Boa tarde meu nome é Gabriel, eu adquiri um tablet da Dell, um Dell Venue 8, porém o aparelho quebrou a tela decorrente de uma queda, fui procurar alguma loja autorizada para que fizessem o reparo, porém não encontrei nenhuma loja, ao entrar em contato com a fabricante, a mesma me informou que ela não trabalha com autorizadas e não disponibiliza venda de peças para reposição, e que se eu quisesse fazer o reparo teria que contratar um técnico da fabricante, que fica em São Paulo e o mesmo viria até a minha residencia para fazer o reparo, porém o valor da manutenção ficaria em R$1282,00 e o aparelho foi adquirido por R$ 520,00, o preço da manutenção é abusivo, o que devo fazer? Posso entrar com alguma ação contra a fabricante?


por Rondinele Ferreira Dantas - Segunda-feira, 29 de Dezembro de 2014 - 19:01:08 - Comentar

Levei meu carro para uma revisão em uma determinada mecânica aqui da cidade, a principio o mecânico me passou um valor e no final ficou mais caro, quando peguei a nota verifiquei que os valores das peças estavam fora da realidade, fiz um orçamento em uma auto peça e constatei que os preços das peças cobrado pelo mecânico estavam bem acima do preço de mercado, gostaria de saber se tenho algum direito de reclamar e solicitar o reembolso da diferença das peças visto que o mecânico cobrou e muito bem cobrado o valor da mão de obra dele para troca das peças???


por Amélia - Segunda-feira, 15 de Dezembro de 2014 - 13:04:35 - Comentar

Houve uma colisão com o meu carro e o carro de uma locadora, mediante a informações da locadora eles disseram que o conserto só poderia ser feito na autorizada, sendo assim, não me deram opções de mais orçamentos e sem a minha autorização aprovaram o conserto. Não me neguei a pagar mas também não autorizei o conserto e tão pouco a questão de não me darem mais alternativas, o que fazer?


por Gediel - Segunda-feira, 15 de Dezembro de 2014 - 10:32:31 - Comentar

bom dia a todos !!

Gostaria de ser esclarecido de uma duvida , qual e o prazo para entrga de um orçamento,


por Eder - Terça-feira, 02 de Dezembro de 2014 - 12:26:22 - Comentar

Boa tarde,

Levei meu carro para uma revisão em uma determinada mecânica aqui da cidade, a principio o mecânico me passou um valor e no final ficou mais caro, quando peguei a nota verifiquei que os valores das peças estavam fora da realidade, fiz um orçamento em uma auto peça e constatei que os preços das peças cobrado pelo mecânico estavam bem acima do preço de mercado, gostaria de saber se tenho algum direito de reclamar e solicitar o reembolso da diferença das peças visto que o mecânico cobrou e muito bem cobrado o valor da mão de obra dele para troca das peças???


Respondendo respondendo Eder
por Edenildo oliveira dacomceição - Sábado, 21 de Março de 2015 - 21:40:36 - Comentar

comprei um carro e paqui depôs de um mês e meio descobri que ele tava com o escapamento furado o coxim furado bomba de anua vazando e o semi echo rui e o descaxelante ruim quero saber se e de responsabilidade deles troca


Deixe seu comentário

Site Seu blog ou página pessoal


1. Os sites do Sistema Fiep incentivam a prática do debate responsável. São abertos a todo tipo de opinião. Mas não aceitam ofensas. Serão deletados comentários contendo insulto, difamação ou manifestações de ódio e preconceito;
2. São um espaço para troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua. Não serão tolerados ataques pessoais, ameaças, exposição da privacidade alheia, perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento;
3. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado; informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos;
4. Defendemos discussões transparentes, mas os sites do Sistema Fiep não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza. e
5. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.

 Aceito receber comunicação da Fiep e seus parceiros por e-mail