Blog

Observatórios

Acompanhe nas redes sociais:
  • Twitter
  • Facebook
  • Youtube

Estados do Sul buscam certificação de área livre de Peste Suína Clássica

Publicado em 30/06/2014

Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul unem esforços para obter a certificação internacional de área livre de Peste Suína Clássica junto a OIE.
clique para ampliar>clique para ampliarO reconhecimento do Paraná como área livre de PSC favorece o acesso da carne suína aos mercados mais competitivos do mundo. (Foto: Getty Images)

Os secretários de Agricultura e representantes da área de defesa sanitária dos três estados se reuniram (dia 30/06) para definir as estratégias para o reconhecimento internacional  da região sul do país como área livre de Peste Suína Clássica (PSC) em 2015. O encontro aconteceu em Florianópolis, na sede da Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca.

A partir de 2015, a Organização Mundial de Saúde Animal passará a certificar os países, ou áreas dentro de países, como livres de Peste Suína Clássica. O reconhecimento de área livre de PSC favorece o acesso da carne suína aos mercados mais competitivos do mundo. Durante a reunião será discutido o protocolo de ações na região sul para viabilizar a certificação.

Segundo o secretário Airton Spies, para obter o reconhecimento internacional não basta que os estados sejam livres da doença, há uma série de procedimentos a serem cumpridos. “Os três estados do sul têm meios e recursos para o atendimento às exigências e, por isso, a partir de agora, vamos iniciar os trabalhos para formalização do pedido de certificação em setembro deste ano e concluir o processo durante a Assembleia Geral da OIE em maio de 2015”.

Em 2010, a região sul junto com mais 12 estados foi declarada como área livre da doença pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). O país possui 16 estados como área livre de peste suína clássica. O diretor de Qualidade e Defesa Agropecuária de Santa Catarina, Roni Barbosa, explica que o fato de os outros 11 estados brasileiros não serem considerados livres de PSC não significa que a doença exista nessas regiões, apenas não foram realizados inquéritos epidemiológicos para comprovar a inexistência do vírus. Nos 16 estados livres da doença a vacinação foi suspensa em março de 2004, já nos demais estados, que ainda não possuem essa classificação, o rebanho suíno poderá ser vacinado se for notificada a enfermidade. A Peste Suína Clássica atinge apenas os animais e causa grande mortalidade.

A OIE ,Organização Mundial de Saúde Anima,l certifica seis enfermidades, das quais o Brasil já obteve o reconhecimento como área livre de febre aftosa com vacinação para 23 estados. A Organização Mundial de Saúde Animal foi criada em janeiro de 1924 para combater as enfermidades dos animais em nível mundial e atualmente conta com 178 países membros, dispõe de escritórios regionais em todos os continentes e mantém relações permanentes com 45 organizações internacionais. Um dos principais objetivos da Organização é garantir a transparência da situação sanitária no mundo, assim como a garantia da segurança sanitária no comércio mundial de animais e seus produtos, particularmente dos alimentos. As regras internacionais elaboradas pela OIE protegem os países contra enfermidades e são cumpridas pela Organização Mundial do Comércio (OMC).


Fonte: Com informações da Secretaria da Agricultura e da Pesca de SC

Deixe seu comentário

Site Seu blog ou página pessoal


1. Os sites do Sistema Fiep incentivam a prática do debate responsável. São abertos a todo tipo de opinião. Mas não aceitam ofensas. Serão deletados comentários contendo insulto, difamação ou manifestações de ódio e preconceito;
2. São um espaço para troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua. Não serão tolerados ataques pessoais, ameaças, exposição da privacidade alheia, perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento;
3. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado; informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos;
4. Defendemos discussões transparentes, mas os sites do Sistema Fiep não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza. e
5. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.

 Aceito receber comunicação da Fiep e seus parceiros por e-mail
 
Av. Comendador Franco, 1341 - Jardim Botânico - 80215-090
Fone: 41 3271 7900
Fax: 41 3271 7647
observatorios@fiepr.org.br
  • Twitter
  • Facebook
  • Youtube