Blog

Observatórios

Acompanhe nas redes sociais:
  • Twitter
  • Facebook
  • Youtube

Coleira com processador e sensores monitora o comportamento de vacas leiteiras 24 horas por dia

Publicado em 27/06/2014

clique para ampliar>clique para ampliarA pecuarista aprovou: com 20 coleiras, a gaúcha Bruna Schiefelbein está monitorando a atividade das suas melhores vacas holandesas. (Foto: Isto É Rural)

Desde abril, 20 vacas de um rebanho total de 170 animais, está usando uma coleira inteligente, que coleta e processa as informações que, depois de captadas por antenas no momento da ordenha, são enviadas a um software batizado de C-Manager. “As coleiras são como os olhos do proprietário, acompanhando as vacas 24 horas por dia”, diz Bruna Schiefelbein, que é formanda em veterinária pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Além do gado holandês, a família cultiva soja, milho e trigo, em uma área de 200 hectares. Do total do rebanho, pouco menos da metade é ordenhada atualmente, produzindo 2,4 mil litros de leite, entregues a uma cooperativa da região.

As coleiras usadas pelas vacas da fazenda de Bruna utilizam a tecnologia C-tech, desenvolvida pela startup Chip Inside, que funciona no campus da UFSM. A empresa, criada em 2010, nasceu de pesquisas em microeletrônica, realizadas pelos irmãos estudantes de engenharia, Thiago e Leonardo Martins, cujo objetivo inicial era desenvolver uma versão nacional da tecnologia para detectar o cio no gado leiteiro. Esse tipo de sistema, embora exista há mais de 20 anos no mercado internacional, custa aqui mais de R$ 18 mil, o que abre caminho para a Chip Inside. No entanto, segundo o CEO da empresa, Thiago Martins, o resultado foi muito além em relação ao similar importado. Os irmãos conseguiram criar uma tecnologia que também pode ajudar a monitorar o conforto do animal. “O produto não é um genérico do que existe lá fora”, diz Martins. “Desenvolvemos algo realmente inovador.”

A coleira monitora três parâmetros comportamentais: nível de ruminação, de atividade e de ócio. Em média, as vacas leiteiras costumam passar oito horas ruminando, oito horas em atividade e oito horas em repouso. Mas esse comportamento pode variar de uma região para outra, ou haver mudanças em função da temperatura. “Em dias quentes, por exemplo, uma vaca costuma ter mais tempo de ócio”, diz Martins. Para que a medição seja consistente, cada coleira calcula o padrão comportamental que é considerado “normal” para um animal, individualmente, depois cruza todas as informações e gera também um relatório sobre todo o plantel. “É possível comparar o comportamento da vaca com o padrão dela mesma e com o padrão do rebanho”, afirma.

Com esse monitoramento minucioso, qualquer alteração na rotina do animal tem um significado. Para Bruna, a maior vantagem da coleira é a identificação precisa do cio. “Podemos inseminar uma vaca no melhor momento para a concepção, 12 horas depois do início do cio”, afirma. “Assim, a chance de aumentarmos nosso índice reprodutivo é maior.” Atualmente, a taxa de prenhez da fazenda é de 50%. Bruna também acredita que economizará na compra de medicamentos, já que, com as informações coletadas, é possível, por exemplo, detectar com antecedência doenças metabólicas como cetose, acidose e indigestão.

A tecnologia começou a ser vendida no fim do ano passado. Parte do sistema, composto pelas antenas receptoras e pelo software, custa R$ 10 mil. As coleiras, adquiridas na quantidade que o pecuarista desejar, saem por R$ 450 cada uma. Cada peça possui um chip com vida útil de cinco anos, que pode ser trocado ao custo de R$ 250. Embora tenha um custo elevado, Martins diz que a coleira compensa. “É um investimento de longo prazo em sanidade e bem-estar animal”, diz. “Quanto mais conforto a vaca tiver, mais ela será produtiva.” A Chip Inside foi selecionada pelo Projeto Startup Brasil, do Ministério da Ciência e Tecnologia, de incentivo às empresas, e recebeu recursos de R$ 186 mil para desenvolver suas atividades.

Fonte: Isto É Dinheiro Rural

 

Deixe seu comentário

Site Seu blog ou página pessoal


1. Os sites do Sistema Fiep incentivam a prática do debate responsável. São abertos a todo tipo de opinião. Mas não aceitam ofensas. Serão deletados comentários contendo insulto, difamação ou manifestações de ódio e preconceito;
2. São um espaço para troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua. Não serão tolerados ataques pessoais, ameaças, exposição da privacidade alheia, perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento;
3. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado; informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos;
4. Defendemos discussões transparentes, mas os sites do Sistema Fiep não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza. e
5. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.

 Aceito receber comunicação da Fiep e seus parceiros por e-mail
 
Av. Comendador Franco, 1341 - Jardim Botânico - 80215-090
Fone: 41 3271 7900
Fax: 41 3271 7647
observatorios@fiepr.org.br
  • Twitter
  • Facebook
  • Youtube