Blog

Observatórios

Acompanhe nas redes sociais:
  • Twitter
  • Facebook
  • Youtube

Atenção aos Possíveis Impactos Indesejáveis da Copa do Mundo de 2014

Publicado em 25/06/2014

É necessário reforçar as medidas de biosseguridade nas áreas de produção agropecuária durante a Copa

Em época de grandes eventos como a copa do mundo, oportunidade em que o Brasil e o Paraná recebem milhares de visitantes, é necessário reforçar as medidas de biosseguridade (de proteção) nos aviários, granjas de suínos e áreas de produção agropecuária, para evitar a entrada de doenças que podem impactar na produção e exportação avícola do Paraná, que hoje é o maior produtor dentre os estados da federação, e o Brasil o maior do mundo (gerando 60 mil empregos diretos e 600 mil indiretos).

E o Brasil? Quantas e quais pragas podem vir de carona com os torcedores internacionais?

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento realiza serviço de vigilância em portos, aeroportos e pontos de fronteira, inspecionando as cargas e analisando a documentação para verificar se os tratamentos de prevenção de pragas exigidos pelo Brasil foram realizados. Caso ocorra a detecção de pragas ou algum problema de natureza documental, a carga é impedida de ser internalizada. Além disso, passageiros chegando de outros países são obrigados a declarar a posse de materiais de origem agropecuária. No Paraná a ADAPAR é responsável pela execução das ações de vigilância e controle das pragas e doenças de importância econômica.

Apesar dos esforços empenhados, entre 1901 e 2013 pelo menos 68 espécies de pragas agrícolas oriundas de outras partes do mundo foram detectadas no Brasil. São insetos, ácaros, fungos, procariontes e plantas invasoras que, hoje, causam perdas diretas e indiretas na nossa agricultura. Algumas delas se adaptaram tão bem às condições brasileiras que já fazem parte da nossa paisagem. Elas entraram sorrateiramente e hoje são motivo de preocupação, pois ao aumentarem o custo de produção, aumentam o custo do alimento que chegou à sua mesa hoje, da roupa que você está vestindo, da cervejinha que você bebe enquanto assiste aos jogos de futebol, e dos móveis da sua casa.

O que se observa é que grande número das espécies é de origem asiática e que têm entrado no Brasil através da fronteira com os estados da região Norte. Possivelmente, elas chegaram às Guianas e à Venezuela com imigrantes asiáticos. Ao imigrarem, trouxeram consigo plantas como mangueira, soja, cana-de-açúcar e outros vegetais que fazem parte da nossa alimentação hoje. Com os vegetais, vieram as pragas que, sob pressão reduzida de seus inimigos naturais e competidores, encontraram um ambiente propício e se estabeleceram. Com o incremento de viagens proporcionado por melhorias de infra-estrutura rodoviária e de malha aérea, supõe-se que as mesmas pragas que vieram de carona da Ásia com os imigrantes estejam sendo transportadas através de materiais vegetais que entram ilegalmente no Brasil.

Tais medidas diminuem o risco de entrada de doenças, por exemplo, nos aviários e ajudam manter os mais de 60 mil empregos diretos e outros 600 mil indiretos gerados pela avicultura paranaense.

Dentre as medidas de segurança ressaltamos:

1. Evite a entrada de pessoas vindas de outros países nas áreas de produção animal e vegetal, em especial nos aviários;
2. Evite que tais pessoas entrem em contato com utensílios e equipamentos utilizados na produção;
3. Evite a entrada de veículos estranhos à propriedade ou aviário, mas, caso o veículo necessite entrar, deve ser submetido a processo de lavagem com desinfecção;
4. Ao visitar outras pessoas ou recebê-las em casa, antes de lidar com a criação, em especial aves, ao menos lave as mãos e se possível tome banho;
5. Sempre que visitar outras propriedades ou feiras, tome banho antes de entrar na área de produção e aviário;
6. Utilize roupa e calçado exclusivos para a lida com a criação (animais, em especial aves e suínos).

Aqui você confere as orientações do MAPA

Fonte: ADAPAR

copa vigilância sanitária

 

Deixe seu comentário

Site Seu blog ou página pessoal


1. Os sites do Sistema Fiep incentivam a prática do debate responsável. São abertos a todo tipo de opinião. Mas não aceitam ofensas. Serão deletados comentários contendo insulto, difamação ou manifestações de ódio e preconceito;
2. São um espaço para troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua. Não serão tolerados ataques pessoais, ameaças, exposição da privacidade alheia, perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento;
3. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado; informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos;
4. Defendemos discussões transparentes, mas os sites do Sistema Fiep não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza. e
5. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.

 Aceito receber comunicação da Fiep e seus parceiros por e-mail
 
Av. Comendador Franco, 1341 - Jardim Botânico - 80215-090
Fone: 41 3271 7900
Fax: 41 3271 7647
observatorios@fiepr.org.br
  • Twitter
  • Facebook
  • Youtube