Blog

Observatórios

Acompanhe nas redes sociais:
  • Twitter
  • Facebook
  • Youtube

Suinocultura nacional reforça vigilância sanitária

Publicado em 18/06/2014

A preocupação com a ampliação de focos da PEDv no continente tem sido demonstrada pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) desde março e agora é reiterada ao Ministério da Agricultura, principalmente por causa de um foco foco na Colômbia, que tem como suspeita a introdução de novos animais vivos. A ABPA defendeu junto ao MAPA, meses atrás, a proibição da entrada de suínos vivos no Brasil, bem como de material genético do animal. O ministério optou, na ocasião, pela quarentena, enquanto a França se tornou o primeiro país a adotar a suspensão de importações de animais vivos.

“Quarto maior exportador mundial de carne suína e detentor de status elevado de qualidade do produto, o Brasil precisa proteger seus rebanhos, e essa é uma mensagem que tem sido reiterada de forma incessante pela ABPA”, destaca o presidente da entidade, Francisco Turra.

O Brasil exporta carne suína para mais de 70 países e tem sido procurado, nos últimos meses, por mercados que importam o produto de países afetados pela PEDv, como os Estados Unidos, o México e o Canadá. Essa posição da qual o País tem se beneficiado, por ter atingido status sanitário condizente com as normas da OIE, precisa ser preservado, reforça Francisco Turra.

O presidente da ABPA lembra de outro avanço importante ocorrido há poucos dias, quando a organização internacional reconheceu novos estados brasileiros como livres de febre aftosa com vacinação. O Brasil possui, agora, 23 estados e o Distrito Federal com esse status. E Santa Catarina continua sendo o único livre da doença sem vacinação. Falta ainda, para a meta de um país totalmente livre da aftosa, o reconhecimento de Amapá, Roraima e Amazonas por parte da Organização Mundial de Saúde Animal. Para obter essa chancela, converge o trabalho de governos estaduais e da iniciativa privada.

Em se tratando de epidemia, a PEDv traz o temor de disseminação e, por isso, se torna necessário a adoção de medidas de proibição temporária à entrada de suínos vivos, material genético, plasma suíno e bovino, entre outros, provenientes dos EUA.

Fonte: ABPA

Deixe seu comentário

Site Seu blog ou página pessoal


1. Os sites do Sistema Fiep incentivam a prática do debate responsável. São abertos a todo tipo de opinião. Mas não aceitam ofensas. Serão deletados comentários contendo insulto, difamação ou manifestações de ódio e preconceito;
2. São um espaço para troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua. Não serão tolerados ataques pessoais, ameaças, exposição da privacidade alheia, perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento;
3. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado; informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos;
4. Defendemos discussões transparentes, mas os sites do Sistema Fiep não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza. e
5. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.

 Aceito receber comunicação da Fiep e seus parceiros por e-mail
 
Av. Comendador Franco, 1341 - Jardim Botânico - 80215-090
Fone: 41 3271 7900
Fax: 41 3271 7647
observatorios@fiepr.org.br
  • Twitter
  • Facebook
  • Youtube