Blog

Observatórios

Acompanhe nas redes sociais:
  • Twitter
  • Facebook
  • Youtube

FDA pede a produtores que evitem usar antibióticos nos animais

Publicado em 16/06/2014

Agência reguladora de alimentos e medicamentos americana teme o desenvolvimento das superbactérias. Ambientalistas dizem que medida deve ser proibitiva, não voluntária.
clique para ampliar>clique para ampliarAgência Reguladora de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos (FDA) defendeu que pecuaristas parem voluntariamente de utilizar antibióticos para fins não medicinais em animais pelo risco de surgimento de bactérias resistentes aos medicamentos. (Foto: Divulgação)

A Agência Reguladora de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos (FDA) defendeu que pecuaristas parem voluntariamente de utilizar antibióticos para fins não medicinais em animais. A razão seria prevenir o surgimento de bactérias resistentes aos medicamentos. Segundo a reguladora, os antibióticos só deveriam ser utilizados com a supervisão de um veterinário ou para o tratamento de doenças.

 A FDA questionou a utilização dos medicamentos para crescimento dos animais. Anteriormente, a FDA vetou alguns compostos, como a cefalosporina. O movimento afetaria grandes produtores, como a Tyson Foods, Cargill e Hormel.

 De acordo com o porta voz do Conselho Nacional de Produtores de Carne de Porco americano, Dave Warner, alguns antibióticos foram aprovados para melhorar o crescimento e ajudar os animais a absorver mais nutrientes. Para Warner, parar de utilizar as drogas provocaria uma crise na produção americana de alimentos.

 Advogados de grupos ambientalistas afirmam que antibióticos mais comuns utilizados em animais — como a tetracilina e a penicilina — contribuiria para elevar a resistência das pessoas, e resultaria no surgimento das super bactérias. Alguns grupos dizem que a FDA deveria limitar a utilização dos antibióticos, e não pedir voluntariamente.

 Cientistas afirmam que o uso excessivo de antibióticos — tanto em pessoas como em animais — pode levar as bactérias resistentes a tornarem-se dominantes. O caso mais conhecido são os estafilococos resistentes a meticilina.

— Nossa estratégia é garantir aos fazendeiros e veterinários cuidar dos animais, mas assegurar as pessoas que os remédios continuem seguros e eficazes — disse a Reuters a comissária do FDA, Margaret Hamburg.

 O deputado americano Michael Taylor acredita que a fiscalização veterinária vai prevenir que as drogas sejam utilizadas somente quando necessário, e impeçam a resistência. Um juiz federal chegou a determinar, no mês passado, que a FDA aprove a retirada de medicamentos para fins terapêuticos na ração animal. A decisão foi baseada em ações promovidas por grupos ambientalistas.

 O anúncio de ontem foi baseado num texto de regras para antibióticos que a FDA emitiu em 2010, e não está relacionado com a decisão do tribunal. A agência afirma que vai decidir se apela ou não da decisão, que pode significar a retirada obrigatória.

 — Isto não é um problema onde a confiança deve ser medida, mas que a FDA deve cumprir com sua autoridade de proteger a saúde pública — critica o presidente do grupo Keep Antibiotics Working ( “Parem de Trabalhar com Antibióticos”), sobre a medida da agência americana.

Acesse mais notícias relacionadas aqui: Mundo deve se unir para enfrentar crise dos antibióticos, dizem especialistas e Os antibióticos e a obesidade

Fonte: O Globo (12/04/2014)

Deixe seu comentário

Site Seu blog ou página pessoal


1. Os sites do Sistema Fiep incentivam a prática do debate responsável. São abertos a todo tipo de opinião. Mas não aceitam ofensas. Serão deletados comentários contendo insulto, difamação ou manifestações de ódio e preconceito;
2. São um espaço para troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua. Não serão tolerados ataques pessoais, ameaças, exposição da privacidade alheia, perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento;
3. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado; informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos;
4. Defendemos discussões transparentes, mas os sites do Sistema Fiep não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza. e
5. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.

 Aceito receber comunicação da Fiep e seus parceiros por e-mail
 
Av. Comendador Franco, 1341 - Jardim Botânico - 80215-090
Fone: 41 3271 7900
Fax: 41 3271 7647
observatorios@fiepr.org.br
  • Twitter
  • Facebook
  • Youtube