clique para ampliarclique para ampliar (Foto: Fotolia)

Uma película formada por micronutrientes em grande concentração que recobre de forma homogênea grânulos dos macronutrientes nitrogênio, fósforo e potássio - conhecidos pela sigla NPK -, foi desenvolvida, depois de uma década de estudos, no Laboratório Nacional de Nanotecnologia aplicada ao Agronegócio (LNNA) da Embrapa, que lidera a Rede AgroNano.

A tecnologia pioneira no país pode reduzir o número de aplicações de fertilizantes, impactando diretamente no custo da adubação e da produção agrícola, além de ter o potencial de fornecer as condições ideais de nutrição para as plantas. Em entrevista, o pesquisador da Embrapa Caue Ribeiro afirma que o material desenvolvido tem a função de recobrir a superfície do grão, que vai ser usado para levar o outro fertilizante junto. "Tinha de ser uma capa de alta aderência na superfície que não se desprendesse quando fosse aplicada", revela.

As pesquisas resultaram num produto altamente concentrado em micronutrientes que pode ser aplicado diretamente em fertilizantes NPK, sem a necessidade de aditivos. A formulação tinha que ter ainda quantidade próxima ou adequada, o que corresponde à proporção de duas partes de micronutriente para cada uma de macronutriente, a fim de que a planta receba todos os elementos de que precisa de forma balanceada. "Esse foi o maior desafio da pesquisa, colocar um nutriente sobre outro sem perder a adesão ao longo do tempo, que conseguisse manter a proporção correta, ser de fácil aplicação e ainda homogêneo", lembra o pesquisador.

A coordenadora da pesquisa na Embrapa Instrumentação, Elaine Paris, ainda aponta outras vantagens para a tecnologia. A formulação pode reduzir o número de aplicações de fertilizantes, impactando diretamente nos custos da produção agrícola, além de ter o potencial de fornecer as condições ideais de nutrição para as plantas. "A formulação pode aumentar a produtividade, uma vez que o fornecimento de macro e micronutrientes de modo simultâneo permite às plantas produzirem próximo ao seu potencial genético", acrescenta.

Com informações da Embrapa.

Leia mais notícias sobre o setor em http://www.fiepr.org.br/boletins-setoriais/7/.