SINDIVEST

Sindicato das Indústrias do Vestuário de Curitiba

Envie para seus amigos

Verifique os campos abaixo!






Comunicar Erro

Verifique os campos abaixo!




Associativismo, arrecadação e criatividade despertam atenção de sindicalistas

Os temas foram apresentados durante o encontro anual de sindicatos realizado pela Fiep. O tema deste ano foi a Liderança

clique para ampliar>clique para ampliarAlcino Tigrinho, presidente do Sindimetal, mostrou como a entidade conseguiu ampliar arrecadação (Foto: Gelson Bampi)

Como atrair novos associados, aumentar a arrecadação sindical e ter um diferencial na oferta de serviços para seus filiados? Três sindicatos ligados à Federação das indústrias do Paraná (Fiep) apresentaram os caminhos que precisaram percorrer e as estratégias que adotaram para atingirem estes objetivos. Os cases de gestão bem sucedida foram apresentados nesta semana durante o encontro anual de sindicatos, realizado pela Fiep, em Campina Grande do Sul.

O primeiro case foi apresentado por Alcino Tigrinho, do Sindimetal. O presidente do Sindicato das Indústrias Metalúrgica, Mecânicas e de Material Elétrico do Estado do Paraná, explicou como a entidade conseguiu um valor expressivo de arrecadação. “Estabelecemos um plano de ação para conseguirmos uma participação maior. As principais estratégias adotadas foram a atualização cadastral através de formulários enviados anualmente, uma interação com escritórios de contabilidade para que nos auxiliassem na conscientização sobre a importância da contribuição sindical e uma oferta de serviços atrativos para nossos associados”. Também houve um cuidado maior com o cronograma de ações. O formulário cadastral (guia de recolhimento), por exemplo, foi enviado pouco antes do final do ano, para não ser somado a outros documentos que costumeiramente chegam para as indústrias nesta época do ano. Os níveis de inadimplência passaram a ser acompanhados por indicadores trimestrais. O sindicato passou a ser presente do cotidiano de seus associados com participações em feiras, com reforço na comunicação por e-mails e telefonemas e na oferta constante de cursos e palestras. Tigrinho encerrou sua apresentação com um recado para os sindicalistas presentes: “Mudamos nossa abordagem sobre a arrecadação porque, para nós, só faz sentido existirmos se tivermos associados. Não podemos criar o bolsa-sindicato. Amigos, mexam-se!”

O segundo case foi apresentado por João Guido Campelo, diretor executivo do Sinduscon-PR. O sindicato da Indústria da Construção Civil de Curitiba e Região Metropolitana não conseguia passar da marca dos 325 associados, num universo de 3.500 mil empresas. “Decidimos ser mais agressivos na atração de novos filiados e contratamos uma assessoria. Percebemos que precisávamos focar nas micro e pequenas”, explicou Guido. Uma das primeiras ações da estratégia de aumentar o associativismo foi reunir numa só sede as administrações do Sinduscon e do Seconci – Serviço Social da Indústria da Construção Civil. Com a medida, o sindicato pôde oferecer as salas liberadas para locação, um atrativo a mais para a maioria das indústrias deste setor, de pequeno porte. O Sinduscon também aumentou a oferta de assessoria às empresas, de acordo com suas necessidades – jurídica, técnica, econômica, com orientação de questões trabalhistas. Com o pacote de ações, o número de associados passou de 325 para 1.050, um aumento de 225% em 8 anos. “Hoje, o Sinduscon-PR tem mais associados que o Sinduscon-SP, que tem uma base muito maior que a nossa”, destacou Guido.

O último case do encontro anual de sindicatos do Paraná foi apresentado pelo Sindvest Maringá. O sindicato foi escolhido por ter uma atuação diferenciada junto a seu setor. Criado em 1990, o Sindvest atende a 680 empresas – de um universo de 2.197 – em 72 municípios. Segundo sua gerente, Rosângela Corrêa, o modelo de gestão é focado na sustentabilidade.  Nos últimos dois anos, o sindicato ofereceu 23 cursos de qualificação, promoveu 8 desfiles, 2 concursos de moda, 6 encontros empresariais, além de investir maciçamente em eventos de moda. “Os R$ 2 milhões que investimos em comunicação no Maringá Fashion Mix nos renderam R$ 8 milhões em mídia espontânea. O que poderia parecer um gasto do sindicato foi, na verdade, um investimento com um retorno fantástico para todos os nossos associados.” O sindicato também tem mobilizado o setor com a oferta de cursos, palestras, missões empresariais, concurso de moda e a “Sala de Criatividade”, um banco de dados com tendências e referências mundiais para auxiliar o trabalho de estilistas, em especial das micro e pequenas empresas que não teriam condições de, individualmente, adquirir esta ferramenta. “São muitos esforços para mantermos todos satisfeitos com nosso trabalho. E não tenho dúvida de que minha equipe está empenhadíssima nesta entrega, o que faz toda a diferença”, disse Rosângela, em tom de agradecimento a seu time.

Para o gerente da Central de Relações com Sindicatos e Coordenadorias Regionais da Fiep, Milton Bueno, os cases apontam caminhos para o fortalecimento sindical. “Muitas vezes são ações simples, mas que geram grandes resultados. O que podemos perceber nestas histórias de sucesso é o esforço em gerar aproximação, a vontade de fazer dar certo e de fortalecer o setor”, avaliou.

Encontro – O encontro anual de sindicatos realizado pela Federação das Indústrias do Paraná (Fiep) termina nesta sexta-feira (25). O encontro reuniu 112 representantes de 79 sindicatos, durante 3 dias, no hotel Mabu Capivari, em Campina Grande do Sul (RMC). O tema deste ano foi “Liderança”.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Os seguintes erros foram encontrados:








    1. Os sites do Sistema Fiep incentivam a prática do debate responsável. São abertos a todo tipo de opinião. Mas não aceitam ofensas. Serão deletados comentários contendo insulto, difamação ou manifestações de ódio e preconceito;
    2. São um espaço para troca de ideias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua. Não serão tolerados ataques pessoais, ameaças, exposição da privacidade alheia, perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento;
    3. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado; informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos;
    4. Defendemos discussões transparentes, mas os sites do Sistema Fiep não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
    5. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de ideias.
    China desmistificadaCorredor da moda paranaense tem que se renovar