SINDIMATE

Sindicato da Indústria do Mate do Estado do Paraná

Envie para seus amigos

Verifique os campos abaixo!






Comunicar Erro

Verifique os campos abaixo!




Alta de 16% no preço da erva-mate deixa chimarrão mais caro no Estado

02/06/2011

A bebida tradicional dos gaúchos ficou mais cara. Pelos dados do Centro de Estudos e Pesquisas Econômicas da UFRGS, o preço médio da erva-mate na Grande Porto Alegre em abril subiu 16,31% em relação a igual mês de 2010.

Conforme o Sindicato da Indústria do Mate no Estado (Sindimate/RS), o produto teve aumento entre 10% a 20% - o reajuste varia de acordo com a região e as marcas.

Na casa de Antônio Pereira dos Santos, em Santa Cruz do Sul, o chimarrão é tomado todas as manhãs. E a alta no preço já foi sentida. Quando vai ao supermercado, o aposentado paga cerca de R$ 5 pelo quilo da erva-mate.

- Isso é um preço exorbitante, está fora do alcance de muitas pessoas que têm esse bom costume de tomar o seu mate - reclama Santos.

Segundo o Sindimate, o reajuste é resultado da restrição a créditos tributários e, principalmente, do aumento de custos na produção, como combustível e mão de obra.

- Hoje, o custo da mão de obra para o produtor chega a 40% do preço final da erva recebida na indústria. Mas se formos comparar com outras bebidas, o chimarrão ainda tem preço muito abaixo (de outros) - pondera o presidente do Sindimate, Alfeu Strapasson.

Apesar do aumento do valor nas prateleiras, no campo, muitos agricultores estão frustrados com o preço pago pelo produto. João Pedro Lenz, de Venâncio Aires, afirma que recebe atualmente da indústria igual valor do ano passado - R$ 4,15 por arroba (equivale a 15 quilos):

- A gente só não deixa o erval porque uma pequena esperança sempre resta de um dia melhorar, mas o produtor está bem desestimulado.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Os seguintes erros foram encontrados:








    1. Os sites do Sistema Fiep incentivam a prática do debate responsável. São abertos a todo tipo de opinião. Mas não aceitam ofensas. Serão deletados comentários contendo insulto, difamação ou manifestações de ódio e preconceito;
    2. São um espaço para troca de ideias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua. Não serão tolerados ataques pessoais, ameaças, exposição da privacidade alheia, perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento;
    3. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado; informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos;
    4. Defendemos discussões transparentes, mas os sites do Sistema Fiep não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
    5. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de ideias.
    Fiep organiza Congresso Paranaense da IndústriaDiário Oficial traz nova tributação para bebidas frias