SINDEMON

Sindicato das Empresas de Engenharia de Montagem e Manutenção Industrial do Estado do Paraná

Envie para seus amigos

Verifique os campos abaixo!






Comunicar Erro

Verifique os campos abaixo!




Uso indevido de celulares no trabalho preocupa indústrias

Queda na produtividade e até acidentes podem ser provocados pela utilização excessiva desses aparelhos. Para conter abusos, especialistas sugerem a criação de regras internas e a conscientização constante dos trabalhadores

No ambiente de trabalho, o uso inadequado de celulares está se tornando um problema para várias indústrias. De acordo com o Departamento de Assistência Sindical (DAS) da Fiep, há inclusive sindicatos que já buscam meios de coibir o mau uso desses aparelhos.

“Algumas entidades relatam problemas de redução na produtividade. Elas também temem que o seu uso indiscriminado cause acidentes de trabalho como consequência da falta de atenção provocada pelo telefone”, conta Juliana Raschke Dias Bacarin, integrante do DAS.

O Brasil conta com uma média de 1,3 celulares por habitante, segundo a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Nesse contexto, especialmente os jovens fazem uso constante dos smarthphones: aparelhos que oferecem recursos de computador e acesso à internet.

“Estar online é um hábito para esse público. Eles dispõem de aplicativos como Facebook, Whatsapp, Viber, Twitter e trocam mensagens por SMS. Essa é uma nova geração de trabalhadores e as empresas terão que achar um modo de lidar com isso”, observa Luciano Nadolny, psicólogo e consultor de Segurança e Saúde no Trabalho (SST) do Sesi.

Perigos

Como no trânsito, o uso de celular pode gerar uma série de acidentes. Engenheiro de Segurança e consultor do Sesi, Rodrigo Meister de Almeida destaca que a percepção dos riscos no trabalho é comprometida com o uso de celulares no ambiente de produção. “Quando a mente do trabalhador se afasta da sua tarefa e ele continua executando isso de forma mecânica, o risco aumenta. Não existe ação segura”, ressalta Almeida.

Regulamentação

Ainda não existem leis que regulem o uso de celulares no trabalho, mas, segundo Juliana Bacarin, os sindicatos da indústria e laborais podem estudar o assunto e criar cláusulas restritivas nos contratos de trabalho quanto ao uso do aparelho em horário de expediente. “A própria empresa, por meio de seu regulamento interno, pode estabelecer regras para o uso do celular”, afirma ela.

Divulgar as regras para uso racional do aparelho já no treinamento admissional e manter uma comunicação constante sobre o assunto são também caminhos que podem ser adotados, indica Luciano Nadolny.

O importante é que os trabalhadores compreendam os motivos por trás das restrições. “Isso pode evitar insatisfações que prejudiquem o clima interno das indústrias”, aponta Juliana.

Para Rodrigo Almeida, em atividades de risco, a proibição do uso de celulares deve ser incluída nos procedimentos de segurança. “Fora disso, é possível regular o uso do aparelho em horários pré-determinados, em pequenas pausas de descanso do trabalho”, sugere.

Confira algumas dicas de uso consciente do celular que a indústria pode recomendar aos trabalhadores:

- Conter a ansiedade e procurar responder chamadas e mensagens pessoais no fim do expediente. O uso excessivo do telefone afeta a imagem profissional.

- Deixar o celular no modo silencioso ou de vibração. Toques muito altos e chamativos podem incomodar os colegas.

- Ao atender uma ligação pessoal, evitar falar alto, expondo detalhes da vida privada. Se for estritamente necessário, procurar um lugar reservado para atender, mas retornar ao trabalho sem demora.

- Durante reuniões, desligar o celular.

- Não fotografar e nem filmar colegas, documentos ou instalações da empresa.

- Caso esteja lidando com um problema pessoal sério, comunicar o superior sobre a necessidade de atender o celular ao longo do expediente.

COMENTÁRIOS

Edson Leandro Mendes - Terça-feira, 29 de Setembro de 2015 - 14:23:52 - Curitiba/PR

O mau uso do celular, não pode ser comparado na integra com o uso excessivo, o profissional liberal ou autônomo comumente conhecido, ele tem a necessidade do uso do seu celular, para possíveis novos negócios ou retorno para seus clientes, também o vemos como possíveis causadores de acidentes, tanto no transito como também em seu ambiente de trabalho. Dentro das industrias, causa queda na produtividade, sim, é mentiroso a pessoa que diz que não perde a atenção quando está com a cara no celular, porém cabem aos gestores tomarem devida providencia quanto a estes funcionários imprudentes. Como gestor, que não sou, o uso do celular deveria ser somente em horários de intervalo, e no almoço, antes do smartfone as pessoas trabalhavam, e não tinham a necessidade de wat zap faceboock , e estão todos vivos, essa dependência deveria ser tratada como um vicio.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Os seguintes erros foram encontrados:








    1. Os sites do Sistema Fiep incentivam a prática do debate responsável. São abertos a todo tipo de opinião. Mas não aceitam ofensas. Serão deletados comentários contendo insulto, difamação ou manifestações de ódio e preconceito;
    2. São um espaço para troca de ideias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua. Não serão tolerados ataques pessoais, ameaças, exposição da privacidade alheia, perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento;
    3. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado; informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos;
    4. Defendemos discussões transparentes, mas os sites do Sistema Fiep não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
    5. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de ideias.
    Contratação informal pode render multa de até R$ 20 mil por trabalhador para a indústriaArbitragem é solução rápida e barata para divergências comerciais