Envie para seus amigos

Verifique os campos abaixo!






Comunicar Erro

Verifique os campos abaixo!




Preço do carro cai, mas motorista paga mais por manutenção

9 de julho de 2012

Os preços dos carros novos recuaram, em média, 5,48% em junho devido à redução do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) promovida pelo governo no final de maio.

Com o resultado, os veículos acumulam uma queda de 7,55% nos últimos doze meses, segundo a inflação medida pelo IPCA (Índice Preços ao Consumidor Amplo) do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Por outro lado, o motorista está desembolsando mais com a manutenção do carro. Neste ano, no entanto, os combustíveis não estão sendo os vilões. São os serviços que estão pesando mais no bolso do consumidor. Em um ano, os preços cobrados por estacionamento subiram 9,43%. O conserto do automóvel também ficou 9% mais caro, segundo o IBGE.

A inflação do carro, calculada pela Agência Autoinforme, fechou o primeiro semestre do ano com alta de 0,84%. O aumento foi impulsionado principalmente pelos serviços, que já estão custando 3,06% mais caro; pelo seguro do carro, que já subiu 3,76%; e pelas peças de reposição, que tiveram alta de 2,62% até junho. Só em junho a cesta de serviços teve alta de 1,11%.

Individualmente, a maior alta ocorrida no mês passado foi do alinhamento de direção, que ficou 3,66% mais caro, seguido pelo serviço de revisão e mão de obra, com alta de 3,45%. O motorista paga 3,38% a mais fazer balanceamento: o serviço já esta custando mais de R$ 50 por roda.


DEIXE SEU COMENTÁRIO

Os seguintes erros foram encontrados:








    1. Os sites do Sistema Fiep incentivam a prática do debate responsável. São abertos a todo tipo de opinião. Mas não aceitam ofensas. Serão deletados comentários contendo insulto, difamação ou manifestações de ódio e preconceito;
    2. São um espaço para troca de ideias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua. Não serão tolerados ataques pessoais, ameaças, exposição da privacidade alheia, perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento;
    3. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado; informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos;
    4. Defendemos discussões transparentes, mas os sites do Sistema Fiep não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
    5. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de ideias.
    Fabricantes debatem benefícios do remanufaturado na manutenção automotivaSenai oferece às indústrias laboratório de eficiência energética