Impostos - 20/09/2012

Diretor geral da Secretaria da Fazenda debate questões do ICMS na Fiep 

Em reunião do Conselho de Assuntos Tributários, Clovis Rogge afirmou que resolução de problemas nessa área depende de posicionamento responsável dos estados

clique para ampliar clique para ampliarClovis Rogge: soluções não devem vir em curto prazo (Foto: Mauro Frasson)

As polêmicas que envolvem a tributação do ICMS e o andamento das negociações para equacionar a chamada Guerra Fiscal foram alguns dos temas tratados em reunião do Conselho Temático de Assuntos Tributários, na terça-feira (18), em Curitiba. O grupo, articulado pela Fiep, recebeu o diretor geral da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefa), Clovis Rogge, que afirmou que a solução desses problemas depende de um "posicionamento responsável" dos estados. "O ICMS tem uma legislação complexa. São 27 legislações diferentes, com os estados tendo um determinado nível de autonomia para mexer nessas normas", disse Rogge. "Essa é a base da Guerra Fiscal, que implica em que estados abram mão de receita para atrair novos investimentos. Não é um problema de solução de curto prazo. Ela tem que ser consensual, exigirá muita discussão e um posicionamento responsável por parte dos estados, o que não está sendo fácil", acrescentou. Leia a matéria completa clicando aqui.


Deixe seu coment�rio

Nome (obrigat�rio)
E-mail (obrigat�rio)
N�o ser� divulgado
Cidade (obrigat�rio)
 UF (obrigat�rio) 
Site
Seu blog ou p�gina pessoal
Mensagem




 Li e aceito o termo de responsabilidade online

1. Os sites do Sistema Fiep incentivam a pr�tica do debate respons�vel. S�o abertos a todo tipo de opini�o. Mas n�o aceitam ofensas. Ser�o deletados coment�rios contendo insulto, difama��o ou manifesta��es de �dio e preconceito;
2. S�o um espa�o para troca de ideias, e todo leitor deve se sentir � vontade para expressar a sua. N�o ser�o tolerados ataques pessoais, amea�as, exposi��o da privacidade alheia, persegui��es (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento;
3. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus coment�rios e pelo impacto por ele causado; informa��es equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos;
4. Defendemos discuss�es transparentes, mas os sites do Sistema Fiep n�o se disp�em a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
5. Dos leitores, n�o se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam diverg�ncias, que acreditamos pr�prias de qualquer debate de ideias.