Justiça - 19/09/2012

Fiep apresenta a ministro do TST demandas na área da justiça trabalhista 

Em reunião com o ministro José Levenhagen, em Curitiba, federação discutiu os pontos mais críticos destacados pelos empresários do Estado

clique para ampliar clique para ampliar
O procurador jurídico da Fiep, Marco Antônio Guimarães, a coordenadora do departamento de Assistência Sindical, Priscilla Caetano, o ministro do TST, José de Barros Levenhagen e o vice-presidente da Fiep, Marcelo Melek (Foto: Mauro Frasson)

As principais demandas do setor produtivo referentes à legislação trabalhista foram levadas ao corregedor-geral da Justiça do Trabalho, ministro Antonio José de Barros Levenhagen, do Tribunal Superior do Trabalho (TST), que veio a Curitiba nesta semana para a correição ordinária no Tribunal Regional do Trabalho do Paraná (TRT-PR).

O vice-presidente da Fiep e coordenador do conselho temático de Relações do Trabalho, Marcelo Melek, o procurador jurídico da federação, Marco Antônio Guimarães, e a coordenadora do departamento de Assistência Sindical da entidade, Priscilla Caetano,  reuniram-se com o ministro na manhã desta terça-feira (18), onde expuseram os principais problemas que afligem os empresários na área da justiça do trabalho.

Segundo Melek, na semana passada os sindicatos filiados à Fiep foram convidados a encaminhar suas demandas nesta área. Através de uma triagem foram destacadas as cinco questões mais significativas, que foram então levadas ao ministro.

Clique e leia mais


Deixe seu coment�rio

Nome (obrigat�rio)
E-mail (obrigat�rio)
N�o ser� divulgado
Cidade (obrigat�rio)
 UF (obrigat�rio) 
Site
Seu blog ou p�gina pessoal
Mensagem




 Li e aceito o termo de responsabilidade online

1. Os sites do Sistema Fiep incentivam a pr�tica do debate respons�vel. S�o abertos a todo tipo de opini�o. Mas n�o aceitam ofensas. Ser�o deletados coment�rios contendo insulto, difama��o ou manifesta��es de �dio e preconceito;
2. S�o um espa�o para troca de ideias, e todo leitor deve se sentir � vontade para expressar a sua. N�o ser�o tolerados ataques pessoais, amea�as, exposi��o da privacidade alheia, persegui��es (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento;
3. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus coment�rios e pelo impacto por ele causado; informa��es equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos;
4. Defendemos discuss�es transparentes, mas os sites do Sistema Fiep n�o se disp�em a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
5. Dos leitores, n�o se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam diverg�ncias, que acreditamos pr�prias de qualquer debate de ideias.